domingo, 13 de junho de 2010





Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-na!

Não me macem, por amor de Deus!
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinha para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?

Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinha.
Já disse que sou sozinha!
Ah, que maçada quererem que eu seja de companhia!

Ó céu azul — o mesmo da minha infância —
Eterna verdade vazia e perfeita!
Pequena verdade onde o céu se reflete!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz! Não tardo...

E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinha!

Álvaro de Campos(readaptado)

3 comentários: